>> TROVAS

Trovas (Das Águas do Meu Telhado)

Trovas (Das Águas do Meu Telhado)

 

De repente vêm as trovas
num galope cadenciado,
e vão surgindo outras novas,
das águas do meu telhado!

***

Na nuvem, do céu, ligeira
vejo os momentos de paz,
pena ser tão passageira
que a própria brisa a desfaz.

***

 Débora Novaes de Castro,
em "Das Águas do Meu Telhado", (1999) p. 9 e13 - Obra registrada no EDA -RJ.

 
 

ENVIE PARA UM AMIGO          COMENTAR
Comentários (1 Comentário)

Miréia

27/09/2012 - 17:45

Belas trovas! A primeira abre o poemário em Trovas DAS ÁGUAS DO MEU TELHADO, como explicitado abaixo. A segunda, imagem singular, reflexão e paz. Parabéns, Débora
Responder
Obrigada, Miréia! Trovas é realmente um calorzinho no coração.
01/09/2014 - 21:37 | Débora Novaes de Castro | debora_nc@uol.com.br
Debora Novaes de Castro © 2019 | Leia as regras de Direitos Autorais
SSL